AMM comemora reabertura do Museu das Missões nesta sexta-feira, em São Miguel
26 de Setembro de 2017

Mais um momento importante para a região missioneira acontece nesta sexta-feira (29), às 11 horas da manhã, em São Miguel das Missões: a reabertura do Museu das Missões. Depois de passar por uma obra emergencial para recuperação da edificação do Museu e da antiga Sacristia (localizada junto às ruínas da Igreja de São Miguel Arcanjo), em função das graves danificações causadas pelo tornado que atingiu São Miguel em abril de 2016, as portas serão reabertas para visitação.

O edifício é da década de 1940, projetado por Lucio Costa com o objetivo de reunir o rico e marcante acervo sacro dos Sete Povos das Missões. As obras foram executadas pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

O presidente da Associação dos Municípios das Missões (AMM) e Fundação dos Municípios das Missões (Funmissões), Brasil Antonio Sartori, destacou que “embora o evento acontecerá no mesmo horário da assembleia da AMM em São Luiz Gonzaga, anteriormente agendada, a AMM estará representada neste ato de comemoração para a história e cultura da região das Missões”.

RECONHECIMENTO MUNDIAL
De acordo com Adriana Almeida, chefe do Parque Histórico Nacional das Missões – Iphan/RS, a partir do dia 29, duas salas expositivas do Pavilhão Lúcio Costa serão reabertas ao público; e a outra sala servirá como laboratório de campo para os trabalhos de recuperação do acervo, que estão sendo coordenados pelo Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM).

“A reabertura do Museu das Missões e da antiga Sacristia é de grande relevância para a região, pois permitirá que esses bens de reconhecimento mundial estejam acessíveis novamente ao público, de forma íntegra, evidenciando o protagonismo das Missões Jesuíticas dos Guarani na formação deste território”, evidenciou Adriana.

MISSÕES JESUÍTICAS NO BRASIL
São Miguel das Missões foi o local de uma das missões jesuíticas que compreendiam os 30 povos indígenas entre Brasil, Argentina e Paraguai durante a colonização portuguesa e espanhola. Em 1937, o arquiteto Lucio Costa foi enviado ao Rio Grande do Sul para analisar os remanescentes dos Sete Povos das Missões e a visita resultou no tombamento, pelo Iphan, em 1938, dos remanescentes das Missões. Em 1983, o sítio arqueológico de São Miguel foi declarado Patrimônio Mundial Cultural pela Unesco e em 2009 foi criado o Parque Histórico Nacional das Missões, que reúne os sítios arqueológicos de São Miguel Arcanjo, São Lourenço Mártir, São Nicolau e o de São João Batista.

 

Por Karin Schmidt

Fonte: Assessoria de Comunicação Iphan

Mais notícias